CENTRAL DE NOTÍCIAS


25/05/2011

SIMPÓSIO NACIONAL:Políticas de financiamento à pesquisa em e



:
processos e critérios de avaliação dos projetos e alternativas de fomento

Como sabemos, as políticas visando a elevação da qualidade da  educação brasileira têm sido anunciadas como prioridade nacional e, não por acaso, também a IV Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação colocou-as como uma ação  prioritária dentro das políticas de Ciência e Tecnologia do país. O mesmo ocorre no documento preliminar do Plano Nacional de Pós Graduação, o qual defende que a relação com a educação básica, visando a elevação de sua qualidade,  deve ser uma das prioridades do Sistema Nacional de Pós Graduação.
A Área de Pesquisa em Educação - que inclui as Áreas de Educação e de Ensino de Ciências e Matemática da CAPES - é a maior área de pesquisa do sistema de pós graduação do país, reunindo mais de 150 programas e mais de 4000 docentes. As atividades de pesquisa e produção do conhecimento desenvolvida por seus pesquisadores foram responsáveis por um aumento expressivo da produção científica qualificada na última década. O aumento da produção veio, via de regra, acompanhado também pela elevação da qualidade conforme aferido pelas Comissões de Avaliação da CAPES e das demais agências de fomento.
No entanto, parece-nos que há espaço, ainda,  para um significativo aumento da qualidade da pesquisa e, consequentemente, dos conhecimentos produzidos pela área, estando esta possibilidade diretamente dependente de pelo menos duas variáveis: o aumento do financiamento e à melhoria dos critérios de avaliação dos projetos de pesquisa e de seus resultados, seja no que se refere especificamente à produção do conhecimento aos seus impactos na qualidade da escola básica no Brasil.
É verdade que houve um significativo aumento dos recursos destinados ao financiamento das pesquisas em educação na última década, sejam esses oriundos da CAPES, do CNPq ou da FAPs. Notadamente nos últimos anos, com a redefinição da missão institucional da CAPES, houve um significativo aumento dos recursos destinados a fomentar a pesquisa na área. No entanto, o aumento de recursos que aqui se reconhece foi muito aquém do crescimento do número de Programas de Pós Graduação, de Grupos de Pesquisa, de Pesquisadores e de alunos da área. Por outro lado, o reconhecimento do expressivo aumento quanti-qualitativo do conhecimento produzido na área, não pode nos impedir de perceber o quanto há de controverso nos critérios utilizados tanto para aferir a qualidade – e prioridade – dos projetos de pesquisa apresentados às agências quanto de seus resultados.
Assim, considerando a complexidade do fenômeno educativo escolar e, por conseguinte, a necessidade de produção de conhecimento sobre o mesmo para que possamos avançar na melhoria da educação básica no Brasil, a ANPEd-Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação, a maior instituição científica da área de educação,  promoverá, nos dias 16 e 17 de junho, na  UFMG, em Belo Horizonte, o SIMPÓSIO NACIONAL - Políticas de financiamento à pesquisa em educação: processos e critérios de avaliação dos projetos e alternativas de fomento. O objetivo principal do Simpósio, que está sendo organizado pela  Comissão de Estudos e Assessoramento em  Ciência e  Tecnologia da ANPEd  e pelo Observatórios das Políticas para a  Educação da UFMG, é reunir pesquisadores e instituições de pesquisa para discutir alternativas de políticas de fomento e critérios de avaliação de  projetos que incentivem a elevação da qualidade da produção científica da área.
O evento contribuirá com a Pós Graduação brasileira, sobretudo da Área de Educação, à medida que propiciará o debate e a elaboração de alternativas  de fomento à pesquisa e de melhoria da avaliação dos projetos de pesquisa desenvolvidos pelos alunos e pesquisadores da área. Do mesmo modo, o evento poderá propiciar o aprofundamento das discussões acerca da contribuição das pesquisas educacionais à melhoria da educação básica no Brasil.
Dados do evento:

Promoção:
• ANPEd

Organização:
• Comissão de Estudos/Assessoria em C&T da ANPEd
• Observatório das Políticas Educacionais - UFMG

Apoio:

• CAPES

Data:
16 e 17 de junho/2011 (quinta e sexta)

Local:
UFMG - Belo Horizonte

Programação:
Dia 16 – Quinta Feira:

Manhã:  Reunião da Comissão de Estudos e Assessoramento e Ciência e Tecnologia da ANPEd

Tarde:

14:00
Abertura
Prof. Dr. Renato de Lima Santos – Pró Reitor de Pesquisa da UFMG
Prof. Dr. João Carlos Teatini de Souza Clímaco – CAPES
Prof. Dr. Mário Neto – Presidente da FAPEMIG e  do  CONFAP
Prf. Dr. Guilherme Sales Soares de Azevedo Melo-  CNPq
Profa. Dr. Dalila Andrade Oliveira – Presidente da ANPEd
Prof. Dra. Marlucy Alves Paraíso – Coordenadora do PPGE-FaE-UFMG
Prof. Dr. Luciano Mendes de Faria Filho -  Coordenador da Comissão de Estudos e Assessoramento em Ciência e Tecnologia da ANPEd

15:00
Mesa Redonda:   As políticas de   fomento à pesquisa em educação:  quadro atual e alternativas.
Prof. Dr. João Carlos Teatini de Souza Clímaco – CAPES
Prof. Dr. Mário Neto – Presidente da FAPEMIG e  do  CONFAP
Prf. Dr. Guilherme Sales Soares de Azevedo Melo-  CNPq
Profa. Dr. Prof. Dr. João Ferreira de Oliveira – Vice-Presidente da ANPEd

Debatedores
Prof. Dr.  Carlos Roberto  Jamil Cury – PUC-Minas
Prof. Dr. João dos Reis  Silva Junior - UFSCAR

Coordenador e Relator:
Prof. Dr. Robert  Verhine – UFBA


Noite:
Jantar

 

Dia 17 – Sexta Feira

09:00

Mesa Redonda: Processos e critérios de avaliação dos projetos de pesquisa e alternativas de fomento: como  incentivar a qualidade da pesquisa?
Profa. Dra. Belmira Bueno – USP - Comitê de Assessoramento à Educação do CNPq
Profa. Dra. Clarilza Prado – PUC-SP - Comissão de Avaliação da Educação da CAPES 
Prof. Dr. Márcio Pochmann - IPEA

Debatedor: 
Prof. Dr. Valdemar Sguissardi – 
Prof. Dr. Décio Gatti Júnior- UFU

Coordenadora e Relatora:
Profa. Dra. Flávia Werle - UNISINOS

Tarde:
Relato dos Relatores
Debate e Encaminhamentos







Newsletter ASSER
Rio Claro

Deixe seu email e receba nossas novidades »